Criação

A preocupação formal com o ensino de Matemática surgiu na Universidade Estadual de Feira de Santana a partir de 1986, pela inquietação de alguns professores da instituição com o ensino das Ciências e pela iniciativa do professor Carloman Carlos Borges de criar o primeiro núcleo da Uefs, o Núcleo de Educação Matemática Omar Catunda - Nemoc. Desde a sua fundação, o Nemoc vem desenvolvendo ininterruptas atividades pedagógicas, extensionistas, de pesquisa e pós-graduação voltadas para o ensino e divulgação da Matemática.

Mesmo antes de sua institucionalização, o grupo de professores ligados ao Nemoc, preocupados com a situação do ensino da Matemática na região, elaborou, promoveu e realizou cursos de extensão para professores, bem como para alunos do então curso de Licenciatura em Ciências – Habilitação em Matemática. Dentre os cursos realizados, citamos Trigonometria e Números Complexos e Didática da Matemática, ambos em 1987, Geometria Euclidiana em 1988, Tópicos de Matemática do 1º grau e Tópicos de Matemática do 2º grau ambos em 1989, Introdução à Filosofia da Matemática em 1990 e Teoria das Probabilidades em 1991.

Em 10 de setembro de 1992, através da Resolução CONSAD 05/92, o Nemoc foi finalmente institucionalizado. Em 1993, graças à atuação e prestígio do professor Carloman, o hoje extinto Jornal Feira Hoje começou a publicar semanalmente aos domingos, textos de divulgação científica sobre a questão do ensino de Matemática, coluna esta intitulada “Pergunte que o NEMOC Responde”. Essas publicações, a partir de agosto de 1993, foram transformadas em Folhetins e passaram a ser distribuídas nas escolas da rede pública de Feira de Santana. A procura e o interesse pelo Folhetim foram crescendo. Começou-se então, o cadastro de leitores, com distribuição gratuita aos interessados.

O Folhetim chegou a ser distribuído para os mais diversos pontos do País, inclusive para outros países tais como a França, Colômbia, Chile, México e Portugal, alguns deles mantendo intercâmbio de periódicos com o Nemoc. Os arquivos do Nemoc possuem referências elogiosas da Sociedade Brasileira de Matemática, a qual, inclusive, já transcreveu na sua Revista do Professor de Matemática, um artigo do Folhetim de Educação Matemática. Alguns conhecidos matemáticos brasileiros – entre eles, Elon Lages Lima e Geraldo Ávila – já manifestaram elogiosas referências ao Folhetim de Educação Matemática, tendo ambos publicado artigo nesse boletim. Além dos matemáticos citados, publicaram também em números especiais: Aron Simis, Irineu Bicudo e Manfredo Perdigão do Carmo. O Nemoc publicou bimestralmente o Folhetim de Educação Matemática, que chegou a 170 edições e contou com uma tiragem de 1200 exemplares.

Aos poucos, e com a credibilidade alcançada, o Nemoc foi diversificando suas atividades, em cumprimento aos seus objetivos. A partir de 1997, foi montado o projeto do Curso de Especialização em Educação Matemática, que devidamente aprovado pelas instâncias da Uefs e recomendado pela Capes, começou a sua primeira turma em 1998. O Curso de Especialização em Educação Matemática ofereceu nove turmas e formou 65 especialistas.

Atuando na área da extensão, o Nemoc também concorreu a editais do Projeto Pró-Ciências, com cursos de aperfeiçoamento e atualização intitulados “A Matemática do Século XXI”.  Em 2017 e 2018, com apoio do CNPq e da Capes, aconteceu o Biênio da Matemática Carloman Carlos Borges, uma parceria institucional entre a Uefs e a UFRB com o objetivo de popularizar e incentivar o estudo da Matemática. O Biênio envolveu 17 professores e 160 estudantes de graduação da Uefs, UFRB e de escolas públicas da rede estadual de ensino. As ações do Biênio da Matemática, desenvolvidas de forma conjunta pelo Cetens/UFRB, Nemoc, LAMULI, DAMAT, Colmat, Lema, Labmat, Gepemate, NEEMFS, os subprojetos de Matemática do Pibid e do Programa Residência Pedagógica, alcançaram um público estimado de 7200 pessoas.

O Biênio da Matemática evoluiu e se transformou, em 2019, no Programa de Matemática Carloman Carlos Borges. Com a pandemia, o Nemoc teve de se adaptar: através do perfil @carlomancarlosborges nas redes sociais e do canal Carloman Carlos Borges no Youtube, foram realizadas virtualmente, em parceria com o Lamuli, oficinas para estudantes e professores da Educação Básica, grupos de estudos dirigidos, seminários, cursos de extensão e eventos científicos. Durante a suspensão das atividades presenciais, foram realizadas 17 transmissões do Prosa na Rede e 16 dos Seminários Virtuais, a IV Mostra de Matemática Elon Lages Lima, a Exposição Virtual Matemáticos e suas Obras, o V Seminário de Orientação à Pesquisa, o Curso “Inserção à Vida Universitária”, dentre outras. Tais atividades estão disponíveis em youtube.com/carlomancarlosborges.

Com o retorno das atividades presenciais, o Nemoc reabriu para visitação pública a Sala Carloman Carlos Borges. Inaugurada em 25 de maio de 2010, na Sala encontra-se muito material sobre a vida do professor Carloman, desde objetos pessoais, diplomas, prêmios, a sua tese de doutorado além de um rico acervo bibliográfico. Outras atividades presenciais já foram retomadas a exemplo do serviço de empréstimo de livros e de orientações para cursos de verão para os estudantes de graduação. O “TOM: Treinamento Olímpico de Matemática”, o “Luz, Câmera, Matemática em Ação” e o “Curso de Aperfeiçoamento para Professores” são apenas alguns exemplos das diversas atividades que o Nemoc vem desenvolvendo em 2022.

Apesar das inúmeras dificuldades enfrentadas durante todo esse tempo, o Nemoc trilhou um caminho de sucesso desde a sua fundação, tendo se consolidado como um dos mais destacados núcleos de Educação Matemática do Brasil.

Recomendar esta página via e-mail: